Pesquisar Textos Antigos

quinta-feira, 24 de junho de 2010


Além dessa névoa escura da noite,
No recôncavo de arenito perto do mar,
E longe dos olhos negros do alquimista
E das mandíbulas de dentes travados,
Rangidos do ódio mefistofélico...
Ponho-me a olhar de cima
Vendo a luz do faroleiro
E a brisa no rosto molhado,
Suado do longo caminho...
Então pulei para fora do corpo
Despido na encosta das ondas...
Olhando o abismo do horizonte sem fim
De onde saiu deus com a boca aberta
Expulsando os demônios da noite
E começando uma nova aurora...

Um comentário:

  1. subjetivo,intenso e profundo,como o mar...

    Ada de Campos

    ResponderExcluir

Números de Visitantes Desta Página