Pesquisar Textos Antigos

terça-feira, 10 de maio de 2016

Nós somos corujas, as vezes, ratos!


Pronto... de lá vem o vento frio... do horizonte... curvando-se entre as nuvens cinzentas. E de lá rasgam o céu as corujas. Enlutando os ouvidos dos infelizes. Voam sobre as cabeças dos ratos que serão devorados na noite. Pobres ratos... Assim também é a equação das desigualdades humanas. A barafunda que desvirtua a sociedade e perverte os inocentes na incansável luta pelo empate da vida. O velho ponteiro varre o tempo em precisão pontual, aniquilando os minutos e segundos restantes. Chegada a hora, nada mais sobra, apenas o frio e o vento preenchendo o vazio. As corujas calculam meticulosamente o ataque. É difícil escapar... garras afiadas, asas gigantes e seu olhar profundo diz que as migalhas não saciam o desejo do sangue. Ceifar vidas é uma necessidade. Nós somos corujas, as vezes, ratos!

Números de Visitantes Desta Página